INFÂNCIA NO LEBLON ENQUANTO ELA.

A tela em branco é o inferno que me arrepia
O céu sou eu dentro dela
Vestido formalmente com uma nova fantasia

A canção que eu escuto assim mesmo
É a mesma lua que vejo nua segurando o umbral
É a sua voz que flutua nas águas do canal

O Leblon me assusta na entrada do Miguel Couto
Enquanto eu vejo o meu papai e mamãe
Sumariamente interrompendo o coito

Wednesday, December 12, 2007

3 Comments:

Iosif Landau said...

o Leblon tem dois canais
um que leva os dejetos
outro que leva teus poemas
ao mar
a brisa os leva pra dentro
do meu lar
não fcil te escutar
é forte abraço
esmaga

hm said...

cena primária...
lindo poema

Cássio Amaral said...

muito bom!!!

imagens bem elaboradas.

abraço.


Cássio Amaral.

 
Wordpress Themes is proudly powered by WordPress and themed by Mukkamu
Templates Novo Blogger