Nuvens de Gardelona
Algum sagüi joga purrinha
Na minha mão digo lona

Enquanto enquantos crio
Palavras surgem pelos olhos
Mastigo meus dentes

Alguns entes do meu lado
Insistem em brigar com o cuidado
E aparecem como lobótomos

As cores insistem em a si pintar
E o infinito aqui não é azul
Um dromedário corcunda defeca

As flores no vaso nascem crocantes
Mastigo junto com ossos
Petróleo no mar: não há fossos:

a fórceps fósseis

Friday, May 30, 2008

1 Comment:

YEHUDA said...

Rodrigo meu querido amigo,as vezes vc me assusta, muitas vezes desejo te abraçar, outras entrar em sua mente extra terrestes, mas sempre te admiro
abação

 
Wordpress Themes is proudly powered by WordPress and themed by Mukkamu
Templates Novo Blogger