ÀS VEZES

Às vezes eu tenho vontade de fumar e fumo. Às vezes eu tenho vontade de comer e como.
Às vezes eu tenho vontade de você e nada.

Nenhuma mão vem me acudir no pesadelo.

Existe um desfiladeiro entre mim e você. Existe um foguete espacial. Sondas e satélites e bombas.

Às vezes tenho vontade de morrer e cuspo pro alto para não sujar ninguém, só a mim. É quase a mesma coisa.

Todo o dia os mesmos remédios e a melancolia melando a cueca do dia a dia. Um certo cheiro de merda que me vicia. Aqui então tudo é todo o dia. Assim sempre.

Wednesday, February 14, 2007

6 Comments:

Cássio Amaral said...

Ás vezes eu vir aqui e sacar esta poesia que tanto gosto.

Um grande abraço.

cássio amaral said...

Ás vezes eu só quero vir aqui e sacar esta poesia que tanto gosto.

Grande abraço.

P.s. Lan house é o fim!!!

Ellemos said...

Gostei muito das coisas por aqui. E voltarei.

Culpa do Cássio Amaral.

Barbara (dos povos bárbaros). said...

[hahaha] Depois de tantos elogios para esse cara ele já deve saber do próprio talento. Poxa, adoro seu estilo de escrever. Não que eu vá abandonar os clássicos para ler apenas poemas modernos e de impacto (como os seus), mas esse é um gênero que encanta, toca a alma (...) Escreva sempre que venho olhar, cara. Essa ficou ótima.
Beijo.

nosbor.araujo said...

o rastro da bicicleta não impede a aventura...belo demais este"AS VEZES"...

Celso said...

Cara, realmente sou seu fã. Post perfeito, Rodrigo. Traduz meus dias recentes, quiçá a vida toda.

Valeu

 
Wordpress Themes is proudly powered by WordPress and themed by Mukkamu
Templates Novo Blogger