Tudo ficou dourado. O céu dourado.
O Cristo dourado. A ambulância dourada.
As enfermeiras douradas tocavam-me com suas mãos douradas.
Tudo ficou azul: o bem-te-vi azul, a rosa azul, a caneta bic azul, os trogloditas dos enfermeiros. Tudo ficou amarelo. Foi quando vi Rimbaud tentando se enforcar com a gravata de Maiakovski e não deixei.
Pra que isso Rimbaud? Deixa que detestem a gente. Deixa que joguem a gente num pulgueiro. Deixa que a vida entre agora pelos poros. Não se mate irmão. Se você morrer não sei o que será de mim. Penso em você pensando em mim.
Rimbaud tudo vai ficar da cor que quiser.
Aqui não dá pra ver o mar. Mas você vai sair daqui.
Tudo ficou verde da cor dos olhos de meu irmão e da cor do mar. Do mar. Rimbaud ficou feliz e resolveu não se matar.
Tudo ficou Van Gogh. A luz das coisas foi modificada.
Enfim me deram uns óculos.
Mas com os óculos eu só via as pessoas por dentro.

Sunday, June 25, 2006

2 Comments:

diniz said...

Texto legal !

Cássio Amaral said...

Brother,
muito bom! Rimbaud é um iluminado, Maiakovski também. Seu conto é demais! Cara, acho q temos esses caras dentro de nós.
Velho valeu sua força, sua luz!O jornal não saiu ainda, qdo sair vou te postar uns exemplares.
Abração.

 
Wordpress Themes is proudly powered by WordPress and themed by Mukkamu
Templates Novo Blogger