ESGRIMANDO COMIGO

1
O sol-reflexo sobe pela latrina

Qualquer vulcão sabe
Do perigo que é o fogo

O fogo é o sol
Que gira em torno de si
E a si consome

2
Quando eu sento e paro para olhar
O que vejo é o amarelo em minhas mãos de cigarro
O que não vejo não me importa
Só uma vez ou outra
Quando
Aciono minhas espadas

Por isso queimo por dentro
Todos os carvões de minha locomotiva
E chego tão próximo do toque
Que me afasto

São mais de quarenta anos perseguindo quem sou

Sunday, October 07, 2007

3 Comments:

cássio amaral said...

lâminas afiadas, fogo dionísiaco dos deuses da poesia dentro de você.

abraço.

iosif yehuda said...

tudo sobe e desce pela latrina, apenas a sua bela poesia flutua acima de tudo
abraço

myra said...

gostei imensamente desta poesia1
um abraço, myra

 
Wordpress Themes is proudly powered by WordPress and themed by Mukkamu
Templates Novo Blogger