PRONTUÁRIO

Fico pensando nas pessoas que catalogam pessoas. Que dizem: este é isso e aquele é aquilo.

Fico pensando que sou um bicho-grilo na barriga de um jovem de quinze anos.

Eu engoli um grilo um dia desses, faz tempo. Foi a primeira vez que disseram: esse menino é doente e devia freqüentar uma escola especial para doentes como ele, que são um perigo para a ordem.

Fico pensando em quem disse que ele é esquizofrênico. Fico pensando se a doença está nele que viu ou nele que via.

Fico puto de a vida de duvidar de diagnósticos. Mas às vezes é melhor acreditar do que andar em círculos.

Porque as pessoas que catalogam pessoas não existem para o mal. No fundo catalogam para o bem.

Você, meu filho, é que é incatalogável.

Todo mundo sabe o fardo que você é para a família.

Precisamos de um nome de doença para pôr no prontuário. Que tal dizer que é síndrome de alguma coisa paranóide?

Que tal não esconder que não é letal?

Morre-se com isso e talvez morrer não uma má idéia.

Sunday, January 14, 2007

4 Comments:

l. rafael nolli said...

Rodrigo, meu camarada, interessante a observação sobre esses encarregados em catalogar gente - muitas vezes, eles não catalogam: decidem; escolhem. Deve ser reflexo duma sociedade que não consegue conviver com a idéia da desordem, onde tudo tem que ter nome e ser explicado - por alguém que observa e olha. Como sempre, muito bom!

cássio amaral said...

Rodrigo,

Seu poema é realmente pertinente.
O mundo virou nome e esquecemos da essência de nós mesmos.
Vc é pessoa do meu coração de cão e seus versos sempre me batem.
Abração.

diniz said...

Bom texto , somos todos gauches mesmo

hm said...

se catalogado nunca mais o mesmo? portas uma vez abertas, sempre abertas...e a espera, e a espreita....

 
Wordpress Themes is proudly powered by WordPress and themed by Mukkamu
Templates Novo Blogger